Quarta-feira, 17 de Março de 2010

 

era para lá que fugia, numa tentativa de se desprender dos ruídos que sempre a ensurdeciam. Um pequeno ribeiro atravessava os campos, e era junto dele, onde a água corria dolente mas devagar, que procurava a paz perdida. E o pequeno rafeiro, que encontrara havia algum tempo naquele mesmo local, coberto de chagas, e parecia entender que agora era a vez de lhe lamber as feridas,seguia-a, pronto a dar-lhe o " amor desinteressado " de que falam os poetas. As andorinhas, que entretanto se lhes tinham juntado, como que traziam histórias para a distrair, e o certo é que acabavam todos quase em doce cavaqueira. Escurecia já quando se dispôs a voltar, e se era verdade que o coração lhe doía ainda, também era certo que reencontrara alguma daquela paz


tags:

publicado por Cristina Ribeiro às 16:06
consegui pelas suas palavras respirar esse lugar.
Daniel João Santos a 17 de Março de 2010 às 22:31

Ar puro, Daniel.

Um arquivo dos postais que vou deixando no Estado Sentido, mas também um sítio onde escrever outras coisas minhas..Sem Sitemeter, porque pretende ser apenas um Diário, um registo de pequenas memórias...
mais sobre mim
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
19
20

23
25
26
27

29
31


links
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO