Terça-feira, 26 de Janeiro de 2010

- E este cachimbo, avó? Tem sempre uma história para contar...

- Sentem-se todos que já vos conto. Lembram-se daquele leque. que o avô me deu em Paris? Quando fizemos dez anos de casados, já com três filhos, fomos todos passar uns dias ao mesmo hotel, e foi a minha vez de o surpreender. Pedi à tia Marianinha, então com nove anos, para dizer ao avô que eu fora ao cabeleireiro, e entrei no mesmo antiquário. Logo encontrei o que tinha em mente.

O avô sempre fumara cigarros, mas uma vez, pouco depois do nosso casamento, disse-me que gostaria de experimentar um dia o cachimbo; e ali estava, à minha frente, esse que agora tens na mão, Luís. No caminho comprei tabaco, e nunca mais o avô voltou aos cigarros...


tags:

publicado por Cristina Ribeiro às 23:08
:)) memórias doces *
CPrice a 27 de Janeiro de 2010 às 12:12

Ficcionadas, Catarina :))) *

.. tenho para mim, já nos quarenta Cristina ;) que a maioria das minhas assim são .. ou isso ou abrilhantadas deixando propositada e conscientemente cair as partes menos boas que delas também fazem parte :)

Beijinho
CPrice a 27 de Janeiro de 2010 às 17:18

Todos temos memórias menos boas, Catarina. Ainda bem que o nosso cérebro é selectivo :)

Beijinho

finalmente... os comentários abriram...

tenho pena de não ter tido os avós tempo suficiente para ouvir historias contadas por eles.
Daniel João Santos a 27 de Janeiro de 2010 às 21:45

Daniel, abri-os porque penso que alguns posts não se coadunam com o espírito do Estado Sentido.


As histórias que a minha avó contava eram bem mais rurais :)

Um arquivo dos postais que vou deixando no Estado Sentido, mas também um sítio onde escrever outras coisas minhas..Sem Sitemeter, porque pretende ser apenas um Diário, um registo de pequenas memórias...
mais sobre mim
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22

24
25
28
29
30

31


links
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO