Terça-feira, 20 de Outubro de 2009

 

Que, ao Sábado de manhã, quando a disponibilidade era maior, a minha mãe cozia a broa. O longo processo começava-o muito cedo: antes do mais, aquecer bem o forno, com a lenha já pronta de véspera; seguia-se o peneirar da farinha, normalmente de milho e centeio, para a masseira, a que juntava água quente e um poucochinho de sal. Depois, de mangas arregaçadas, punha toda a sua força no acto, cansativo, de amassar Juntava um pouco de fermento, um pedaço de massa da semana anterior, que entretanto azedara, e deixava esta mistura descansar umas horas, a fim de levedar. Enquanto isso, o forno já quente precisava de ser " limpo": retirada das brasas maiores, para que não queimasse o pão, com a ajuda de um gancho encabado num pau comprido. Embolava então uma porção de massa na emboladoira- uma gamela de madeira- , na qual fazia uma cruz, e metia-a no forno já rubro. Depois de, com a ajuda de uma comprida pá de madeira, meter todas as broas no forno, era altura de o fechar com os restos de massa. Horas depois estavam prontas para serem retiradas, com a mesma pá, sendo que essa fornada haveria de dar para a semana toda, depois de se distribuirem algumas broas pelos vizinhos e familiares.


tags:

publicado por Cristina Ribeiro às 19:18
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um arquivo dos postais que vou deixando no Estado Sentido, mas também um sítio onde escrever outras coisas minhas..Sem Sitemeter, porque pretende ser apenas um Diário, um registo de pequenas memórias...
mais sobre mim
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15


31


links
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO