Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Tempo Esse Grande Escultor

Um arquivo dos postais que vou deixando no Estado Sentido, mas também um sítio onde escrever outras coisas minhas..Sem Sitemeter, porque pretende ser apenas um Diário, um registo de pequenas memórias...

O Tempo Esse Grande Escultor

Um arquivo dos postais que vou deixando no Estado Sentido, mas também um sítio onde escrever outras coisas minhas..Sem Sitemeter, porque pretende ser apenas um Diário, um registo de pequenas memórias...

Fernanda de Castro

Cristina Ribeiro, 09.10.09

 

No passado mês de Agosto, o Paulo Cunha Porto, do blogue As Afinidades Efectivas, lançou um repto muito interessante aos seus leitores: se pudéssemos falar com personagens do passado, com quem quereríamos dialogar- respondi que uma dessas pessoas seria Vitorino Nemésio, e a outra era Fernanda de Castro, autora do primeiro livro que li, nas minhas primeiras férias escolares, acabada a primeira classe, numa altura em que ainda era o meu pai quem me seleccionava as leituras- «Mariazinha em África». E lembrei-me agora dela porque, ao fazer uma busca no Google deparei com um seu poema, num blogue que lhe é dedicado

 

 Asa no espaço, vai pensamento! Na noite azul, minha alma flutua! Quero voar nos braços do vento Quero vogar nos barcos da Lua! Vai minha alma, branco veleiro Vai sem destino, a bússola tonta Por oceanos de nevoeiro Corre o impossível, de ponta a ponta Quebra a gaiola, pássaro louco Não mais fronteiras, foge de mim Que a terra é curta, que o mar é pouco Que tudo é perto, princípio e fim. Castelos fluidos, jardins de espuma Ilhas de gelo, névoas, cristais Palácios de ondas, terras de bruma Asa, mais alta, mais alta mais

 

 

 Março de 2008