Quinta-feira, 01 de Março de 2012

 

" Diogo assumou a uma das varandas que davam para o rio, ali a poucos metros, arranhado por gaivões. Na lisura da água abriam-se de onde em onde círculos, nascidos de escalo ou truta que picara a abocar efémera borboleta atordoada pelo ar eléctrico. Os círculos iam-se alargando, chegavam tenuamente às margens, lá morriam. Para o Norte e bandas da serra, um surdo trovoar retumbou. "

                                        « A Toca do Lobo », Tomaz de Figueiredo

 

 As estantes estão cheias de livros, muitos deles -  tantos - por ler ainda, mas há meia dúzia a que se volta de quando em quando, antecipando-se àqueles, que esperam pacientemente a sua vez. A duas páginas de terminar o Livro de Consolação, de Camilo, dessas mesmas estantes me chamou este, do meu segundo escritor dilecto, e em cada um dos que releio encontro motivos de nova leitura.



publicado por Cristina Ribeiro às 22:26
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Um arquivo dos postais que vou deixando no Estado Sentido, mas também um sítio onde escrever outras coisas minhas..Sem Sitemeter, porque pretende ser apenas um Diário, um registo de pequenas memórias...
mais sobre mim
Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


links
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO