Sábado, 10 de Outubro de 2009

 

 

 

Aclamado no dia 6 de Maio de 1908, no Palácio das Cortes, o jovem D. Manuel II, que não fora educado para reinar, por ser filho segundo, mas que nem por isso descurara a sua instrução, como ficou bem patente na sua grande cultura, tudo fez para tornar um facto a preparação para melhor prosseguir o que considerava ser o dever de um monarca: o bem do País. Sem olhar a sacrifícios pessoais: tivera nisso o maior dos exemplos- o de sua mãe! Pensando ser esse o caminho para apaziguar os espíritos, propôs-se encetar uma política de acalmação, respeitando estritamente os limites do poder moderador, não intervindo nas lutas entre políticos; mas estes, tal como agora, sempre puseram os interesses pessoais à frente de tudo, coisa que D. Manuel nem concebia sequer... Escreveu a José Luciano, chefe dos Progressistas: "Tenho trabalhado com a máxima sinceridade e dedicação para o bem do meu Paíz e das Instituições que me cumpre defender", e quando ascendeu ao trono disse aos portugueses: "(...) Nesta desventurada conjuntura sou chamado, pela Constituição da monarquia, a presidir aos destinos do reino: na sua conformidade e no desempenho dessa elevada missão empenharei todos os meus esforços pelo bem da Pátria, e por merecer a afeição do povo português". Quando viu o caminho por que enveredavam esses políticos, o mesmo que , cem anos depois, Portugal viria a conhecer, alertou-os para a tempestade que se avizinhava. Também «O Desventurado» previu que "faltava cumprir Portugal"!

 



publicado por Cristina Ribeiro às 15:58
Um arquivo dos postais que vou deixando no Estado Sentido, mas também um sítio onde escrever outras coisas minhas..Sem Sitemeter, porque pretende ser apenas um Diário, um registo de pequenas memórias...
mais sobre mim
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15


31


links
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO