Quinta-feira, 16 de Agosto de 2018

IMG_8835.JPG

 " Depois de [ D. António da Costa ] no-la descrever nas suas festas, nas feiras, nas esfolhadas, cantando ao desafio, ataviada com todas as riquezas de os seus ouros e todo o pittoresco dos seus trajes, passa a estudá-la na sua " utilidade ". Porque, diz, « n'esta província do Minho, ao contrario do que em toda a parte succede, a mulher é que toma verdadeiramente o logar do homem. »
No Minho poderá ainda o trabalho das artes e officios pertencer ao homem. Os campos pertencem à mulher.
Os homens lá emigram para o Brasil, Alentejo, Porto, Lisboa; à minhota, quase exclusivamente, é que está incumbido o trabalho da provincia...As proprias crianças são já criadas desde a mais tenra idade para a lida ...Assim é que se vae educando aquella incomparavel mulher do nosso Minho.
Alem de commover o espectaculo de a vermos nos campos, não commove menos o encontrá-la pelas estradas, duplicando a sua actividade e o seu ganho, pois que sendo já um trabalho a condução dos carros, a transportação dos instrumentos agrarios, a carregação à cabeça de fardos pesadissimos, vae conjuntamente fiando ou cosendo para não perder o tempo...
Não menos impressiona o vê-las nos mercados, todas senhoras da sua missão, activas, conversando com seriedade e acerto, como quem possue o conhecimento da vida e a experiencia dos negocios... "
António Arroyo, « Notas sobre Portugal »

 

Ainda as há; agora já não tantas como no tempo de D. António da Costa, mas onde quer que haja campos de cultivo, lá estão mulheres no amanho da terra. Há dias, era vê-las, nos campos de Castro Laboreiro, algumas debruçadas sobre a terra em pleno labor, enquanto outras faziam uma pausa nele para limpar o suor que lhes corria da testa, com a sachola ao ombro, para logo recomeçar a jorna.

 

 

 

 

 



publicado por Cristina Ribeiro às 16:24
Quinta-feira, 28 de Junho de 2018

                                   

3522641E-F42F-45D9-82F2-CB2ADF7BCFB2-20380-00000C2

IMG_8811.JPG

 

 

Dele lera, há já um par de anos, algumas páginas, mas a urgência de outras leituras determinou o seu abandono; até hoje. 

Quando chego ao capítulo ' Constantinopla 1921 ' vem à memória aquele delicioso  pedaço de prosa blogosférica, oferecido pelo sempre saudoso Je Maintiendrai.

Foi também a ocasião de rever outros amigos, com quem tanto aprendi...



publicado por Cristina Ribeiro às 19:51
Sexta-feira, 09 de Fevereiro de 2018

IMG_8299.JPG


em que Camilo se comprazia debatendo com gente mais ou menos grada do seu tempo, coligidas e comentadas por Alexandre Cabral, injustamente a veia menos realçada do consagrado romancista, pois que dela sairam saborosíssimos pedaços de prosa, sempre apimentados por uma espontaneidade e frontalidade que o faz recorrer aos mais vernáculos termos, numa verve não raras vezes acintosa, paro - porque me lembra a que sustivera três anos antes, 1877, com a escritora, também ela estrangeira, de um livro lido há tempos - « A Formosa Lusitânia » -, na que o opõe à autora de « Portugal Visto de Relance », a Princesa Rattazzi.
Uma polémica em que intervieram várias figuras contemporâneas, como o Visconde de Villas Fortes, que expõe, em traços largos, o fundo em que a mesma se irá processar: " Chegou a Lisboa uma dama, que gozava lá fora da fama de literata mais ou menos distinta, porque tinha publicado em francês alguns livrinhos literários. A vinda de semelhante escritora não era, realmente, para causar entusiasmo, muito menos entre os nossos escritores, mas a tal senhora era viúva de um príncipe " razão pela qual " os jornais de Lisboa e os de quase todo o reino começaram a chamar ' raro ' ao talento da princesa e terminaram por levar às nuvens o ' génio ', o estilo, a escola, o gosto e a erudição nunca vista da distinta escritora ".

É aqui que Camilo entra a esgrimir contra a visão de um país retrógado e provinciano que de Portugal a princesa publicita, não a poupando a palavras duras de quem vê no livro acabado de ler uma ofensa de pura calúnia, ao país que entoara tão grandes loas à viajante escritora.



publicado por Cristina Ribeiro às 18:17
Terça-feira, 26 de Dezembro de 2017

03B902AF-3964-4C65-8F1E-44E05A33C85E-674-000001048

( ... ) na visão de Pascoaes e mesmo de Pessoa, ( a Europa ) constituía um desordenado conjunto sem forma própria, qual " massa amorfa " esperando a hora de ser tendida. ( ... ) Os pequenos países, desde que possuam uma identidade cultural e uma autonomia de pensamento, podem subsistir e sobreviver através das pressões dos grandes, embora as ameaças económicas levem os povos ao receio e ao temor. Pascoaes, e com ele os principais pensadores da ' Renascença Portuguesa ', seguidos, de modo diferente, mas no essencial convergente, pelos ideólogos do Integralismo Lusitano, deu relevo às culturas pátrias. in ' Nova Águia '


tags:

publicado por Cristina Ribeiro às 21:33
Terça-feira, 19 de Dezembro de 2017

8A26C501-BCDB-497C-8D51-E47DB5DA19B9-1186-00000181

" Que as circunstâncias de um momento possam conduzir-nos a uma cooperação ocasional, compreendo; mas transformar essa precariedade, essa momentaneidade, em perenidade e sistema, em princípio e norma de vida, só pode pretendê-lo quem desconheça por completo a História de oito séculos de Portugal, ou a conheça mal- que é, ainda, pior. (...) Entre a hostilidade,que formalmente condeno, e a tese ( que António Sardinha foi buscar a Oliveira Martins ), de uma política militar e diplomática comum, que decididamente rejeito, há lugar para a única posição sensata que a História justifica: a da simpatia fundada na compreensão recíproca da independência plena dos nossos respectivos interesses. "


tags:

publicado por Cristina Ribeiro às 19:11
Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

A19B256D-7EC5-4FE9-AEF6-A0D02F7FFD9F-1094-00000142

( Serra do Marão )

" Cada Pátria tem o seu Verbo, e uma alma inconfundível, portanto " Teixeira de Pascoaes, ' O Génio Português ' " Um dos aspectos mais curiosos do nacionalismo de Teixeira de Pascoaes ( no sentido lato de encarecimento dos valores nacionais ) é a ligação indissociável que o autor estabelece entre a Língua, a paisagem ou a alma do povo " Maria das Graças Moreira de Sá, ' Cadernos do Tâmega '



publicado por Cristina Ribeiro às 14:45
Sexta-feira, 08 de Dezembro de 2017

9BE8C1A8-E032-4437-AFDD-6B61B240B6A7-5257-0000056B

" Vós, mulheres portuguesas, amai-o sempre, porque Camilo foi o mais carinhoso intérprete do vosso coração! Todos os graus do amor -desde que ele não é ainda senão um arfar mais fundo do vosso peito iludido ( ... ) até às violências da felicidade ou da dor -; todos os aspectos: aquele amor tímido que se esconde, e aquele amor vaidoso que se ostenta ( ... ) - todos estes modos de ser do mesmo cuidado Camilo entendeu e exaltou. Nas mãos dele andaram os vossos mais bonitos segredos de amor. Vivem na sua obra os tipos perfeitos de mulher amorosa deste amor português que alguns chamam romântico e que eu chamarei divino. Vão mudados os tempos, bem sei. O espiritualismo é contido pela análise. A alma de Platão anda arredia das almas modernas. No entanto, ainda por aí freme, em corações moços ansiar de sonhos, muita insistência de raça afectuosa, muito irredutível atavismo de sentimentalidade que rebenta e estrige em gritos de amor fatal! Essas almas compreenderão as grandes amorosas de Camilo "

Antero de Figueiredo in ' A Águia '



publicado por Cristina Ribeiro às 15:59
Sexta-feira, 01 de Dezembro de 2017

IMG_8204.JPG

" Portugal assim dizia/ Quasi sempre em dôr tamanha!/ Assim prégou aos seus filhos/ Novo Sermão da Montanha.// Honra os teus Mortos. E' deles/ Que tu vens. Deves-lhe culto/ Que são os vivos? - A Sombra/ Dos Mortos que fazem vulto// . - Povo! Povo! eu chamo... Escuta/ Repara em mim: vê e pasma/ Sombra e chagas do que fui.../ Fiseram de mim um fantasma// Onde irei? A ser escravo?/ Velho e rôto vagabundo/ Aos encontrões, ás esmolas/ Aos enxovalhos do mundo...// Povo! em ti, confio e espero/ Como foi no tempo antigo/ Has de salvar-me...Ou ao menos/ Saberás chorar comigo// "



publicado por Cristina Ribeiro às 19:19

14E90C76-38F0-4699-929C-74C7AA299BF9-3255-000003F7

" ( ... ) Sua Majestade deliberado já de não tornar atrás, do que uma vez intentara, se resolveu, e assim o disse a António País Viegas, que ainda que se movessem dúvidas, e os confederados desistissem da empresa, ele não o faria; antes com qualquer pequeno número de gente, que o quisesse seguir, sairia a campo a tentar fortuna, mostrando ao Reino a firmeza do propósito, com que se resolvera, e que a sua vida, sendo necessário, havia de ser a primeira que se desse pela liberdade da Pátria. " Gregório de Almeida in ' Restauração de Portugal Prodigiosa ', citado por Rodrigues Cavalheiro na ' Revista dos Centenários ' Sem firmeza nos propósitos não se vai a lado nenhum; o Fundador deu o exemplo, o Restaurador compreendeu-o...


tags:

publicado por Cristina Ribeiro às 19:05
Domingo, 26 de Novembro de 2017

IMG_8201.JPG

Neste livro, que o Conselheiro d'El-Rei D. Carlos " offerece ", como " seu antigo Deputado ", " A Cidade e Povo de Guimarães ", mais concretamente, nas cartas que o monarca escreveu ao seu Ministro do Reino, desde que, a 16 de Maio de 1906, o investe no cargo de Presidente do Conselho, confirmo o que já percepcionara noutros escritos: que, como refere António Sardinha, " D. Carlos foi o primeiro dos integralistas ". Da sua firme vontade, e decisão, de reformar Portugal, dá, desde logo, conta a João Franco nessa primeira carta- « Ha muito a fazer e temos, para bem do Paiz, que seguir por caminho differente d'aquelle trilhado até hoje » -. Com efeito, diz o de Alcaide " A nossa chamada ao poder obedeceu já a um pensamento superior de governo, a que Elle de motu proprio se dedicara. El-Rei decidira romper com a orientação politica e as praticas administrativas de« até hoje ». Forte e incisivo era o dizer; ao mesmo tempo animador e suggestivo. ( ... ). Encontrei em D. Carlos uma segura e reflectida resolução de tudo fazer para não se voltar mais ao « antigo » e a este proposito de reforma governativa se conservou firmemente e inabalavelmente fiel. ( ... ) A Ramalho Ortigão repugnou a onda de insensibilidade e de covardia moral que, depois do 1º de Fevereiro, parecia ter varrido este paiz, e apareceram as admiraveis e justiceiras paginas d«O Rei Martyrizado », que no infortunio e no exilio me foram consolação e desvanecimento ".



publicado por Cristina Ribeiro às 22:24
Um arquivo dos postais que vou deixando no Estado Sentido, mas também um sítio onde escrever outras coisas minhas..Sem Sitemeter, porque pretende ser apenas um Diário, um registo de pequenas memórias...
mais sobre mim
Agosto 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


links
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO