Quarta-feira, 18 de Junho de 2014
 

                                                    Casa de Aquilino Ribeiro - Carregal, Sernancelhe.

 

Gaste assim as suas economias, não as malbarate em fofas novelas gafadas de galicismos ", escreveu Camilo castelo Branco no livro « Cancioneiro Alegre »

 

Quando leio a boa prosa do escritor beirão, são muitas as vezes que recorro ao dicionário, tantos, mas saborosos, são os regionalismos.

Pouco que fosse, nos anos setenta do século passado havia algum trabalho na divulgação da nossa boa literatura. No caso de Aquilino, logo nos primeiros anos do Ensino Secundário ri com as proezas da Salta-Pocinhas, n« O Romance da Raposa » e do almocreve prodígio no jogo do pau, n« O Malhadinhas ».

Hoje estou certa de que foi esta primeira incursão na escrita riquíssima do homem do Carregal que me abriu o apetite para depois ler outros livros seus. 

 
 


publicado por Cristina Ribeiro às 16:27
Segunda-feira, 12 de Maio de 2014
 
 
 

" Canta o « Suão » p'la força da estiagem
e, á caustica vertigem de a abrazar,
em crispações de luz cai na paisagem,
ébrio de raiva, o sol canicular.

 

 

Do saibro vivo que arde entre a folhagem
ao largo uma cegonha ergue-se ao ar
e contra o vento as asas mal reagem,
cansadas já de tanto se exforçar.

 

 

Na farta ondulação da cor, os olhos
recolhem da impressão mordente e vasta
só traços discordantes de arabesco.

 

 

Perdidos por alqueives e restolhos,
em torno deles tudo o mais se empasta
como um borrão violento ainda fresco. "

 

                 António de Monforte

                 ( António Sardinha )

 


publicado por Cristina Ribeiro às 22:18
Terça-feira, 11 de Março de 2014

 

" Ao cabo de um trecho relativamente plano e arborizado, surge, no cimo de um cabeço, a vetusta povoação, ainda cingida por alguns dos antigos cubelos e panos de muralha medieva. A vila tem todo o ar de uma terra morta, esquecida do resto do mundo. As ruelas, toscamente empedradas, têm um estranho ar sonolento. Aqui e além, um velhote que aquece os pés ao sol, ou duas mulheres que conversam, com voz anasalada e sotaque antigo. Subindo por uma dessas quelhas, depressa se encontra o alto onde outrora assentava o castelo. No local, todo escalavrado, apontam-se os restos do tal palácio do malfadado Cristovão de Moura. "

Sant'Anna Dionísio

  











 

 

 

 

 

Já, há alguns anos, passara o fim-de-semana prolongado do feriado do 1º de Dezembro naquela região de Castelo Rodrigo. E como é especial comemorar aí a Restauração da nossa independência!

 

Desta vez o céu estava mais azul, as pessoas que por lá vimos continuavam a poder contar-se pelos dedos duma mão, mas o entusiasmo por estarmos em terra quase sagrada, esse também era o mesmo que naquele dia já longínquo.

 

Agora na serra da Marofa pudemos ver, por entre um mar de oliveiras, algumas amendoeiras em flor. Uma saudade, porém: já não estava lá o Pai, para o Zé Miguel, um sobrinho ainda criança por então, lhe perguntar: "- Avô, que castelo vamos ver hoje? "; na véspera tínhamos visitado já Castelo Mendo e Castelo Melhor.

 

 


publicado por Cristina Ribeiro às 14:12
Segunda-feira, 28 de Outubro de 2013
Que instinto te acorda e guia,
Da noite com que afliges
Esta tristeza sozinha
E amargurada do vale, 
Para a montanha distante,
Quando,
Como um audaz caminheiro,
Fugindo do cativeiro,
Alegre o sol vem cantando
Em sua estrada real?
...................................
......................................
 

Que era grande amigo de Tomaz de Figueiredo, fez-mo saber um amigo comentarista. Até então não sabia nada de Fausto José.
Acerca de uma visita a Ucanha e a Tarouca, falou-me em Armamar, no Douro, e que teria feito muito bem se tivesse subido um bocado até à Aldeia de Cima, onde o poeta acolhia amiúde o escritor de Valdevez. Fiquei com vontade de a visitar, claro, mas foi sempre um destino adiado até que me propus rever a, certamente - como vim a confirmar - já restaurada ermida de S. Domingos, ali vizinha ( freguesia de Fontelo ), e que se encontrava em obras de restauro.
Procurei os seus poemas e soube que a Câmara de Armamar os reeditou não há muito tempo. Mas não descansei até o encontrar, integrado na antologia « Líricas Portuguesas », coordenada por Cabral do Nascimento. Dela esta « Névoa ».



publicado por Cristina Ribeiro às 19:09
Sexta-feira, 20 de Setembro de 2013

" ( ... ) Agora, para as Alturas, é a cavalo, através da serra quase sem árvores, em chão roxo pelas flores das queirogas e amarelo pelas flores da carqueja: - montes de mosto onde chovesse saraiva de enxofre...

Ao redor, montanhas altas e varridas. Começa a ver-se, à esquerda, em baixo, um longo vale abeberado de verdura e de fartura, que se prolonga, formando o planalto da aldeia das Alturas, e se estende para lá, até às veigas fartas de Boticas. Serras em torno. ( ... )

E neste ondulante mar esverdido, de montes vagueiros e baldios, sobe aos céus, contra os homens, a queixa amargurada das terras que querem ser mães de florestas úteis e belas, que aproveitam às gentes e, em sua beleza basta e religiosa, agradem a Deus. "

« Jornadas em Portugal »


publicado por Cristina Ribeiro às 22:34
 

Desta feita é a visão da serra do Gerês, passava o Autor por Terras de Bouro, que inspira a Domingos M. da Silva esta « Apologia da Montanha »:

" A sua presença obriga a estacionar aqui, ao menos por uns momentos, na arrebatadora contemplação de uma das mais caprichosas formas e belezas da Terra.

    O perfil gigantesco e bizarro da serra geresiana, sem parelha no sistema orográfico das montanhas peninsulares, deixa impressão indelével na alma do visitante. .............................................................................................................................................................................................................
 
É a montanha boa inspiradora e conselheira. Na profundeza dos vales isolados entre montanhas, à funda solidão a que voltava sempre que  precisava de inspirar-se, saindo depois com o ânimo confortado e a vontade decidida para trovejar contra os desmandos da sua época, o abade insigne de Claraval, o intensificador da vida monástica, o que ditou as leis da cavalaria das cruzadas, o homem que recusou o supremo pontificado e foi mais glorioso na sua grande humildade e simplicidade, deveu o segredo da sua descomunal estatura moral ao retiro do mundo. Altíssimo monte de santidade, como lhe chama Frei Luís de Sousa na História de S. Domingos, também a estas longínquas paragens dos vales de Bouro, nas solidões do áspero Gerês, chegou o eco da sua incomparável actividade, quando o primeiro Afonso interveio na restauração do  velho mosteiro das montanhas. "

« Entre Homem  e Cávado »


publicado por Cristina Ribeiro às 22:29
Um arquivo dos postais que vou deixando no Estado Sentido, mas também um sítio onde escrever outras coisas minhas..Sem Sitemeter, porque pretende ser apenas um Diário, um registo de pequenas memórias...
mais sobre mim
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

30
31


links
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO