Segunda-feira, 03 de Fevereiro de 2014



Lendo a correspondência que, por iniciativa do sucessor de D. Carlos, se encetou entre o Rei exilado e o ministro em  que aquele confiara para recolocar o País em boa senda, é notório o trabalho de reflexão feito por D. Manuel II, quando assume que foi mal orientado pelos seus conselheiros.

Logo na primeira carta, que envia para Biarritz, o exilado de Richmond diz pensar muito no ex-estadista que « ainda hoje sofre por ter querido fazer bem ao seu País », que deseja muito ter correspondência com João Franco e poder, dessa forma, « trocar ideias e maneiras de ver» e « saber a sua opinião sobre Portugal e o seu destino ».


Como refere Rodrigues Cavalheiro, o colector destas epístolas, mantidas secretas até muitos anos após a morte do homem de Alcaide, era irremediavelmete tarde; devia " tal diligência, ter sido feita quase três anos antes », quando, na própria noite do regicídio, o Infante " mostrara logo o receio absurdo de manter, com firmeza, à frente do Governo da Nação o homem que a seu Pai merecera até ao fim total crédito como político e como administrador ".

Porque o Rei assassinado, inteligente Rei, viu estar rodeado de falsos monárquicos, e soube destrinçar o trigo do joio. É esta perspicácia que se pede a um Rei.






publicado por Cristina Ribeiro às 15:50
Um arquivo dos postais que vou deixando no Estado Sentido, mas também um sítio onde escrever outras coisas minhas..Sem Sitemeter, porque pretende ser apenas um Diário, um registo de pequenas memórias...
mais sobre mim
Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
19
20
21
22

23
24
27
28


links
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO