Quinta-feira, 19 de Junho de 2014
 
Saíramos de Braga com um ventozinho, é verdade, e tinha ouvido que vinha aí " uma frente polar " e com ela uma vaga de frio, de muito frio, pelo que até íamos preparados para o enfrentar. Mas, mesmo assim, não a esperávamos, não no último fim-de-semana de Abril. É certo, também, que quanto mais nos aproximávamos das terras altas mais negras víamos as nuvens e quando fomos almoçar naquele restaurante junto ao castelo começámos a sentir uma baixa acentuada da temperatura. 
Ainda no concelho de Montalegre, seguimos para Tourém; lá perguntaríamos o caminho para a agora espanhola Rubiás, outrora um microestado, espécie de terra de ninguém, o Couto Misto encravado entre Portugal e Espanha, até que, pelo Tratado de Lisboa de 1864, foi integrado no município galego de Calvos de Randin.
E foi precisamente na aldeia de Randin, já na província de Ourense, que começou a cair, primeiro " leve, levemente ", depois nem tanto assim. Rapidamente se formou à nossa volta um lençol branco que nos fez adiar a busca do antigo Couto para tempos mais propícios a explorações pedestres. 
Regressávamos à cidade de Montalegre, repetindo-se o mesmo cenário branco por toda a serra.
Na cidade o frio continuava a ser muito, mas só voltámos a reencontrar a neve na belíssima e típica aldeia de Padroso. 
Na mala vinha o pretexto para voltar a terras de Barroso.
 
 


publicado por Cristina Ribeiro às 11:37
Duarte Meira: " "Terras de ninguém" não é bem: eram três povoados - Rubiás, Santiago e Meãos (ou Meaus) - onde portugueses e galegos viviam juntos, podendo os chefes de família, quando do casamento, optar pela nacionalidade política que cada um quisesse. Em suma, foi, até ao séc. XIX, a imagem viva do que que Portugal e a Galiza podiam naturalmente ter sido, se não fossem os azares das conjunturas políticas e a miserável despiques como aquele das "primazias" entre Braga e Compostela.

A miséria prolonga-se até hoje, com os empecilhos que os pequenos políticos portugueses têm posto do nosso lado (por medo de incómodos diplomáticos com Castela) à participação plena da Galiza na CPLP. Entretanto, do lado de lá, prosseguem com iniciativas como esta, do mês passado:

http://observatorio-lp.sapo.pt/pt/noticias/proposta-de-lei-para-aproveitar-lingua-portuguesa-admitida-no-parlamento-galego (http://http://observatorio-lp.sapo.pt/pt/noticias/proposta-de-lei-para-aproveitar-lingua-portuguesa-admitida-no-parlamento-galego) "
Cristina Ribeiro a 19 de Junho de 2014 às 11:47

Um arquivo dos postais que vou deixando no Estado Sentido, mas também um sítio onde escrever outras coisas minhas..Sem Sitemeter, porque pretende ser apenas um Diário, um registo de pequenas memórias...
mais sobre mim
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


links
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO