Quarta-feira, 30 de Junho de 2010

 

 

Lembrava-se de ter andado toda a noite, e de ter visto no alto da montanha, que o mar ladeava, uma luzinha intermitente. Tentou lá chegar, na busca de um abrigo, mas depois de ter andado um bom bocado nessa direcção, deu-se conta de que era apenas um farol, sem ninguém lá dentro -fora em vão que chamara...

Sentiu frio, apesar de ser Junho, e a fome não ajudava. Sentiu cansaço, e deitou-se naquela posição fetal, que lhe era tão peculiar. Os olhos começaram a ceder, e a fecharem-se as pálpebras. Foi então que, vinda de algures dentro de si, ouviu aquela frase de esperança que ouvira à sulista no cinema.Mais nada.

Quando acordou, já o sol aparecera, mas ainda espreitava só, por detrás do monte. Era, na verdade, outro dia que começava, e a primeira coisa a fazer era procurar comida; depois, logo se veria. O importante é que saíra da bruma.


tags:

publicado por Cristina Ribeiro às 00:24
Não há como uma noite bem dormida para fazer renascer a esperança, Cristina. :-)
Luísa Correia a 30 de Junho de 2010 às 19:06

Nada, mesmo, Luísa:: entretanto as coisas vão-se clarificando :)

Por vezes percorremos caminhos que achamos os melhore, mas eles não vão dar a lado nenhum... o bom é que nunca é tarde para procurara novos rumos e o tão desejado Sol.
Daniel João Santos a 30 de Junho de 2010 às 22:03

E, então, Daniel, tenhamos a força de dizer " amanhã é outro dia ", sabendo que o sol pode momentaneamente esconder-se entre nuvens, mas que voltará a aparecer.

Um arquivo dos postais que vou deixando no Estado Sentido, mas também um sítio onde escrever outras coisas minhas..Sem Sitemeter, porque pretende ser apenas um Diário, um registo de pequenas memórias...
mais sobre mim
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

13
14
15
16
18
19

20
21
22
23
24
25
26

28


links
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO